Amêndoas na despedida.

Vou comprar amêndoas torradas ali à Praça da Figueira, alguém quer alguma coisa? – disse  num tom irritado, levando a mão ao jarro de trocos.

“Não te demores, oh glutão! Temos muitos padrões para acabar” – dizia Joca por entre lábios semi-serrados que seguravam meia dúzia de alfinetes. “Vai mas é fazer a barba, oh seu biscoito sem sal.” – sai-me da boca, cortante.  Menezes, pousado num banco, desvia por milésimos de segundos o seu olhar da lista de custos e deixa cair sobre mim, do alto do seu half breasted tweed um olhar de extrema condescendência, nunca precisou de falar muito para dizer o que pensava. Eu não estava para isso, eram 16h15, tinha trabalhado muito e bem, como todos eles alias. Mas naquele dia não estava para isso. Dario que carregava pelo menos uns 8 rolos de tecido, no seu estilo de sempre põe-se em frente à porta aponta para a minha mesa, e diz “Já acabaste de cortar as tuas medidas?”. Foi aí que senti a primeira gota de suor fugir-me do pescoço para o forno que era o meu peito. “Meus queridos amigos, Paletós. ” – com o máximo sarcasmo que pude ajuntar – “Não têm outra pessoa para chatear, seus vadios!? Vou-me embora, deixem-me em paz!!” – outra vez o meu tom foi tudo menos amistoso. Algures em mim uma luz piscou, avisando-me que tinha ultrapassado o limite. Mas este suor… Empurro o Dario, fazendo cair alguns rolos. Sem olhar para trás saio para a rua e ainda ouço o Joca a dizer “Leva a carteira pá… pelo menos!!”
O ar, este, não melhorou. Quente, opressivo, debaixo da minha bata todo eu gritava por uma fonte na qual chapinhar qual Audrey Hepburn no Roman Holiday. Ao chegar à praça, vejo uma algazarra de todo o tamanho. Uns cinco sujeitos estão agarrados a uma corda, alguém grita. Olho para cima e um Steinway and Sons, preto, lindo, baloiça uns 10 metros sobre a rua como se estivesse possesso. Logo por baixo está um velhote. Ele está dobrado a apanhar umas moedas que parecem ter-lhe caído do bolso. E neste momento a corda rompe-se.
Num só movimento faço os 5 passos que nos separam, empurro o velhote fora da zona de impacto e tudo fica negro e no ar quente só ressoa um acorde em dissonância. Um fá sustenido mas pesadíssimo.

…Paletós:”Coitado. Alguèm reconhece-o? Ele nem traz carteira…”

Huck
Anúncios

Deixe um comentário

Filed under História

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s